Terça-feira, 23 de Setembro de 2008

Os Idosos

Com alguma frequência tenho ouvido dos meus familiares idosos, manifestações de desgosto, desalento e desilusão com a vida. De maneiras diferentes, todos apontam no mesmo sentido - Que já não servem para nada, que ninguém lhes liga, mas que também não admira, porque nunca ninguém lhes deu valor ou apreciou. Ao princípio não ligava, até achava natural e que era próprio da idade.

Ultimamente tenho comentado isto com amigos e curiosamente dizem-me que os seus familiares dizem o mesmo. Sendo assim, parece-me um fenómeno generalizado, o que é preocupante.

Matutei no assunto e cheguei á conclusão que nós somos os culpados. Somos culpados porque não dialogamos com eles, e quando o fazemos, se não ouvimos o que queremos ou gostamos, acabamos por arrematar o diálogo com frases fatídicas, do tipo: “agora já não é assim”, “isso era no seu tempo”, “você sabe lá o que está a dizer” etc…, e desligamos. Uma atitude destas é, no mínimo, desumana.

É verdade que determinados assuntos da actualidade sejam do seu desconhecimento e consequentemente a sua opinião seja descabida ou disparatada. Mas eles querem falar, querem ser simpáticos, querem ser prestáveis, em suma, querem sentir-se úteis. De facto deve ser muito triste, sentirmo-nos passados e inúteis e pensar que a nossa vida foi banal e sem qualquer importância. Factos essenciais que levam o idoso, em desespero, a manifestar-se da maneira que o faz.

Em face disto, e se a minha teoria estiver certa, porque não mudarmos o sentido do diálogo, para algo que eles saibam discutir - chamar-lhes a atenção para o bom que foi eles terem existido, o quanto contribuíram para a felicidade dos que com eles conviveram, lembrar-lhes coisas boas do passado, lembrar-lhes algo de notável que tenham feito ou que lhes tenha acontecido - não conheço nenhum idoso que não goste de falar no seu passado.

No fundo é retribuir-lhes o amor e carinho, que nos deram, quando dele precisamos. E, quantas coisas mais poderíamos fazer por eles? Penso que muitas.

Se todos procedêssemos deste modo, aquelas angústias e desesperos com que deparamos, certamente, tenderiam a desaparecer.

Se nos transformarmos nos seus Anjos da Guarda, contribuiremos para que os seus últimos dias de vida, sejam passados com alguma felicidade e dignidade.

 

Jcm-pq

publicado por jcm-pq às 18:14
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Segunda-feira, 15 de Setembro de 2008

As Vindimas

Anualmente, por esta altura, colhem-se as uvas. É a época das vindimas!. Por todo o país se labuta nesta tarefa. Devido ás particularidades do clima, o início e o fim não é coincidente em todas as regiões. Em qualquer dos casos nunca vão para além do mês de Setembro. Cada região, tem o seu costume e tradição. Há regiões, sobretudo no Norte, que a vindima é uma autêntica época festiva. Logo ao amanhecer os ranchos encaminham-se para as vinhas, em romaria, cantando alegremente. A colheita e o transporte das uvas em cestos, para os tractores, que substituíram os carros de bois de outrora, fazem-se, ao som dos cantares tradicionais da região. Á noite, o esmagamento das uvas, é festa de arromba. Os homens, em calções, perfilados no lagar, abraçados, formam um cordão uniforme, que em movimentos de marcar passo, vão lentamente esmagando as uvas. Também esta tarefa é efectuada ao som dos cantares tradicionais acompanhados de acordeão. Comer e beber não falta. Homens, mulheres, garotos, velhos e novos, todos participam.

As televisões, mostram este espectáculo, digno de se ver. É a alegria, simples, do povo. – É bom, bonito, alegre e interessante, mas é uma amostra em relação a antigamente – Dizem os mais idosos.

As outras regiões: Beiras, Litoral, Alentejo e outras, também têm os seus costumes. Mais brandos, menos espectaculares, mas também têm o seu encanto. Á semelhança do Norte, a colheita é feita por ranchos e o transporte por tractores. O esmagamento por máquina ou manualmente no sarin dão. Só faltam os cantares, como no Norte.

Actualmente até no Norte, o esmagamento, na maioria é feito mecanicamente. As cooperativas de produção de vinho, são as principais responsáveis.

Seja de que modo for, o objectivo é o mesmo. Colher, esmagar as uvas e fabricar o vinho. O importante é que cada região, á sua maneira, mantenha a tradição e continue a realçar o acontecimento. Que em todo o país, por longos e longos anos, a época das vindimas não passe desapercebida.

 

Jcm-pq

publicado por jcm-pq às 12:19
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Terça-feira, 2 de Setembro de 2008

COMPREENSÃO

Cada vez mais, sentimos intolerância, agressividade e frieza no relacionamento social. Acho que reina uma incompreensão generalizada.

Penso que isto acontece por não medirmos ou analisarmos o nosso comportamento. O que escolhemos como bom no momento, pode ter efeitos ou resultados negativos retardados. Quando praticamos uma acção ou acto, tomamos uma decisão ou opção, não consultamos a nossa consciência, para os, eventuais, sentimentos provocados, quer em nós quer nos outros. Enquanto que para nós pode ser um sentimento puro de amizade, cordialidade, solidariedade ou de amor, outrem, a quem é dirigido, pode sentir como que uma imposição da nossa presença, abuso de confiança ou, porque não, causador de mal estar.

Não é fácil descobrir, porque também não é fácil posicionarmo-nos no lado contrário. Mas se tentarmos incessantemente, e estivermos atentos á nossa consciência e sentimentos, com o tempo conseguimos. Mais, desenvolvemos a capacidade de conhecermos os outros e a nós próprios. Certamente, que este comportamento não chega para aferir ou certificar todas as escolhas e opções que fazemos. Mas já é alguma coisa, para não dizer, muito. Para colmatar os eventuais mal entendidos ou incompreensões, seguir o ditado “faz aos outros o que gostarias que te fizessem”, seria bom. Mas parece-me meia solução!!!.

Eu explico:

Um relacionamento, independentemente a sua natureza, deve ser honesto e com a melhor das intenções. No seu desenvolvimento sentimos a reacção contrária. Se houver reciprocidade, os sentimentos encaixam, é bom, é de continuar. O contrário, os sentimentos não encaixam, não é bom, é de parar. Não havendo reciprocidade de uma das partes, e continuar a tentar, é caminhar para o sentimento de intolerância, mal estar, aborrecimento e consequentemente, incompreensão. É mais sensato encarar e tratar uma relação assim, como “conhecidos”. Não podemos esquecer que sabemos e sentimos o que os outros significam para nós, mas não sabemos nem sentimos o que significamos para eles.

Para haver compreensão, o ideal era, que tudo o que fazemos uns pelos outros, fosse aceite reciprocamente, sem mágoas, melindres, desconfianças, preconceitos ou aborrecimentos, como que numa engrenagem, em que os carretos, encaixam uns nos outros harmoniosamente sem fricção. Mas infelizmente, não é.!!!.

 

Jcm-pq

publicado por jcm-pq às 18:04
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. Não há fumo sem fogo!

. A agonia Cipriota

. Os erros e as consequênci...

. Termas de Monfortinho/Mon...

. Agora ao trabalho

. Novo Governo em Funções

. O Novo Governo

. Os Animais Também Amam

. Preocupação

. Campamha Eleitoral - Frus...

.arquivos

. Outubro 2014

. Abril 2013

. Março 2013

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Julho 2009

. Junho 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds